Número total de visualizações de páginas

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

O DIA 12 DE DEZEMBRO


Todos os dias são dias de efemérides.


Terça-Feira, 12 de Dezembro de 2017:
Portugal arrasa nos Óscares do Turismo - é o melhor destino turístico do mundo com seis prémios mundiais. Segundo Ana Mendes Godinho, que foi ao Vietname para a cerimónia anual dos World Travel Awards, "nem tinha mãos para segurar tantos prémios".


A poinsétia, flor de Natal ou estrela de Natal é uma flor mexicana que floresce no solstício de inverno, coincidindo com o Natal e serve de decoração natalícia já desde o século XVI. É uma planta de interior que também pode ser plantada no exterior e as folhas largas definem - se por várias cores. Foi introduzida nos Estados Unidos em 1825 por Joel Roberts Poinsett, primeiro embaixador americano no México, falecido a 12 de Dezembro de 1851. O nome da planta deriva, pois, do nome do embaixador e a data comemora-se em sua homenagem




Frutas loucas Pintado por ImShampoo a 12 de Dezembro do 2012



Este foi também o dia em que nasceu Francis Albert "Frank" Sinatra, cantor, actor e produtor americano, um dos mais populares e influentes artistas musicais do século 20 (12 de Dezembro de 1915 – Maio de 1998). 
Abaixo, três Tenores - Luciano Pavarotti, Plácido Domingo e José Carreras gravam My Way, com Frank Sinatra na plateia.



Muitas outras coisas aconteceram, claro, como o nascimento de Marcelo Nuno Duarte Rebelo de Sousa (12 de Dezembro de 1948), Presidente da República Portuguesa que comemora hoje o seu 71 º aniversário...



... e o de uma ROSA, a pequena Carolina, que também escolheu a magia do Outono para nascer (12 de Dezembro de 2017), não  entre o aplauso das estrelas mais belas porque as quatro horas da noite escura se divertiram a mergulhá-las num traquino horizonte de Inverno, mas repleto de paz e de um protegido perfume de jasmim.


 Alex Greenshpun Photography

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

MADRID / CERDEIRA



Madrid está (é) uma cidade agitada, com os passeios repletos de pessoas que, num vaivém, se movimentam freneticamente. Por isso, nesta fase do ano, de forma a evitar aglomerações desordenadas nas ruas que circundam a Porta do Sol, a capital espanhola aplica o sistema de sentidos únicos e viragens obrigatórias no trânsito de peões.
Com temperaturas de menos 4 graus centígrados, muito tapados ou nem por isso, os passeantes parecem caminhar hipnotizados, como formigas, uns atrás dos outros, entupindo as ruas.
Esta medida, que funciona nas sextas-feiras, sábados, domingos, feriados e vésperas de feriados durante todo o mês de Dezembro, assegurada por agentes da polícia colocadas nas esquinas das referidas ruas produz, com certeza, os resultados esperados. Porém, para os condutores estrangeiros como nós, que precisam de usar ”guia turístico” GPS veicular para localizar endereços e indicar como chegar até lá, torna-se complicado quando ele insiste em orientar-nos por caminhos não permitidos durante a época festiva, transformando os percursos em "pescadinha de rabo na boca"   

Assim, o que poderia ser um óptimo programa madrileno, não passou de um almoço no El Corte Inglès, de algumas voltas pela cidade e de uma maior permanência (por opção) na zona da Plaza de Cibeles, um dos espaços mais representativos de Madrid, situada no centro da cidade, no cruzamento entre o Paseo del Prado e a Calle Alcalá. 

A praça tem uma bela fonte, a Fonte de Cibelos, rodeada de imponentes edifícios construídos entre o final do século XVIII e início do XX.  




Autocarro de Natal

A fonte, construída para abastecer os madrilenos com água, foi desenhada pelo arquitecto Ventura Rodríguez em 1782 e representa a deusa Cibeles sobre uma carroça puxada por leões. Mas tarde, transferida para o centro da praça como elemento decorativo, passou a ser o lugar onde se celebram as vitórias do Real Madrid, da Selecção Espanhola de futebol e de basquetebol.


Um edifício que merece ser destacado é o Palácio de Cibeles, inaugurado em 1919, que funcionou como sede central dos Correios até ser reformado para abrigar a Prefeitura e um centro cultural.

O Palácio de Buenavista, o Banco de Espanha (interiormente decorado com uma excelente colecção de pintura como obras de Goya, Mengs, Maella e Vicente López) e o Palácio de Linares (que pretende fomentar as relações culturais entre a Espanha e os países ibero-americanos), são também de considerável importância.

Para debelar o frio por algum tempo, soube bem saborear uns aperitivos no sofisticado ambiente do Mercado de San Antón, um dos mercados must go de Madrid. 

E o regresso a casa fez-se atravessando novamente os caminhos gelados ou com neve (agora quase invisíveis) de  Collado/Villalba, Villa Castim, Ávila, Salamanca, Portugal, Cerdeira, durante algumas horas. 






Madrid, o bulício de ruas cheias de gente divertida, bem humorada e vistosa, de movimento, de conversas audíveis, de euforia, deu lugar à solidão da quietude da Cerdeira.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

SULCOS


Quando um mundo desencantado, alheio ao destino e à integridade intelectual do ser nos persegue, corre-se o risco de se desaparecer na insignificância da vida banal acabando por se fazer um pacto com a mediocridade de viver.
E se o estado de espírito transborda de mágoa, qualquer apontar de dedo depreciador ou expectativa que não acontece, pode ser a gota de água...

A árvore quando está a ser cortada, observa com tristeza que o cabo do machado é de madeira. 
Provérbio árabe


NATAL?
Apenas um substantivo masculino, etm. do latim natalis, que significa dia de nascimento ou o dia em que algo ou alguém fica um ano mais velho, escrito com um N maiúsculo; 


domingo, 26 de novembro de 2017

O NATAL


Aproxima‑se o Natal.

A intensidade do sentimento de cada um em relação ao Natal depende muito da maturidade, personalidade e experiência de vida.

Assim, pode dizer-se que o Natal é:
A época simbólica da ideia mágica em que todos os problemas e conflitos parecem desaparecer por alguns dias;
Um intervalo de tempo em que o mundo pára de trabalhar para sentir. Sentir…
Um ritual de “ninho” quando existe;
O período mais alegre do ano;
Um Christmas blues esperando que Janeiro vire a página;
Fazer as pazes com a vida;
Aceitar a diferença entre o que se viveu e o que se está a viver, sem que essa diferença anule o que passou nem hipoteque o que está para vir”.(Filipa Jardim da Silva);
"A Festa em louvor ao nascimento de Jesus, celebrada no dia 25 de Dezembro, estabelecida pela igreja ocidental desde o século IV e pela igreja oriental desde o século V".(Dicionário de Português online);
O período das imagens da propaganda e dos programas de TV com pessoas sempre extremamente felizes;
O peso da solidão e do abandono;
Uma maior recordação de pessoas que estiveram ali antes;
O bacalhau cozido com couves e batatas e a abertura das prendas à meia-noite;
Um misto de desilusão e ternura, na descoberta do Pai Natal ou do Menino Jesus;
A invenção de  um plano (Publicidade comovente/apelativa? Chantagem emocional/tóxica? Terapia de choque que faz rir/chorar?) para reunir toda a família na festa natalícia; 




O Natal das crianças, primordialmente.




Videos YouTube

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

NA HORA DA DESPEDIDA


.

Quem me dera estar contente
Enganar minha dor
Mas a saudade não mente
Se é verdadeiro o amor.

O Mini tem mais encanto
Na hora da despedida.
O Mini tem mais encanto
Na hora da despedida.

Não me tentes enganar
Com a tua formosura
Que para além do luar
Há sempre uma noite escura.

O Renault tem mais encanto
Na hora da despedida.
O Renault tem mais encanto
Na hora da despedida.

Que as lágrimas do meu pranto
São a luz que lhe dá vida.

O Mini tem mais encanto
Na hora da despedida.
O Renault tem mais encanto
Na hora da despedida.

(Adaptado  de Balada da Despedida, de Fernando Machado Soares)






quarta-feira, 22 de novembro de 2017

VIAJANDO PELO "SERTÃO" DE PORTUGAL - 1


Com muitos monumentos, parques naturais, cidades e aldeias únicas, o Centro de Portugal tem muito para oferecer e são vários os motivos para que uma "viagem" a esta região seja gratificante.


Localizada no centro da Cova da Beira, Belmonte (Belo Monte), frente à encosta oriental da Serra da Estrela e da qual dista apenas 9 km, caracteriza-se, essencialmente, por duas referências históricas: a história dos Cabrais e a história dos Judeus.
Pedro Álvares Cabral, o navegador, que no ano de 1500 comandou a segunda armada à Índia e durante a qual se descobriu oficialmente o Brasil, nasceu em Belmonte. O castelo e a torre, construídos com a autorização de Dom Afonso III, foram doados por Dom Afonso V a Fernão Cabral, pai de Pedro Álvares Cabral, para sua residência, secundando assim as anteriores funções militares. Porém, após um violento incêndio, pressupõe-se que a família se tenha instalado na Casa dos Condes, actual Museu dos Descobrimentos.
O castelo foi declarado como Monumento Nacional por Decreto publicado em 15 de Outubro de 1927. Presentemente existe no seu interior um anfiteatro destinado à apresentação de espectáculos e material arqueológico de presença romana recolhido em escavações, exposto ao público, no interior da torre de menagem. A fachada principal do castelo, orientada para o Sul, é rasgada por um portal de arco de volta perfeita, encimado por uma esfera armilar e pelas armas dos Cabral




O Solar dos Cabrais foi habitação da família Cabral e actualmente contem a Biblioteca e o Arquivo Municipal. Na fachada principal, sobre o portão, ostenta o brasão dos Condes de Belmonte, o único que conseguiu escapar aos tempos da Primeira República. No logradouro do edifício foi construído de raiz o Museu dos Descobrimentos, "projecto interactivo, de sensações e afectos que transporta o visitante para uma história de 500 anos de construção de um País e da Portugalidade"



Em termos da aposta feita no turismo religioso (Touring Cultural e Religioso), Belmonte, Guarda e Trancoso são 3 municípios da Serra da Estrela que preservam a herança judaica portuguesa mas Belmonte é a comunidade judaica activa com mais significado histórico porque, vivendo aqui há mais de 600 anos, praticaram o seu culto religioso de forma secreta durante mais de metade do tempo. É a única comunidade peninsular herdeira legítima da antiga presença histórica dos judeus sefarditas.
O interesse de profissionais deste nicho de mercado em visitar Portugal, é cada vez maior e, mais concretamente a Serra da Estrela. Só em 2011 o Museu Judaico de Belmonte recebeu a visita de 1.539 turistas israelitas e de 537 turistas americanos. 
O turismo religioso assume-se como uma actividade que abrange viagens que combinam fé, cultura e lazer. Assumem-se como actividades turísticas decorrentes da busca espiritual da prática religiosa, onde o turista é um utente da religião que procura bem estar, lazer e conhecimento de outros lugares (Cavaco e Simões, 2009)




O Museu mostra peças da Idade Média ao séc. XX, utilizadas por judeus e cristãos-novos no quotidiano ou nas práticas religiosas e é o primeiro do género em Portugal.


A Sinagoga, de traça arquitectónica recente, projectada pelo arquitecto Neves Dias, localiza-se próximo do castelo e foi inaugurada em 1996, 500 anos após o édito de Dom Manuel I de expulsão dos judeus de Portugal. Para além de estar orientada para Jerusalém, tem representações do candelabro na porta e nas grades e a estrela de David, nos portões

Mas Belmonte é muito mais, desde a Torre Centum Cellas, o Museu do Azeite, a Quinta dos Termos, as igrejas Matriz, de São Tiago e Santa Maria, a villa da Quinta da Fórnea e restaurantes até às pequenas belas casas de granito.


Há sempre um pouco de nós em cada espaço que se visita através de pessoas que fizeram ou fazem parte da nossa convivência.
Daqui, recordo A M.T. e a M. A. Cabral Faria que foram minhas contemporâneas nos primeiros cinco anos do secundário, no Colégio da minha aldeia. No jogo do ringue (ainda se praticará?) a M.T. era arrasadora. Mas os diferentes rumos profissionais apagaram, ao longo dos anos, qualquer vestígio para um hipotético reencontro...

Imagens e vídeos GOOGLE

terça-feira, 14 de novembro de 2017

MISCELÂNEA "MARTINHAL"



"Dia de São Martinho, lume, castanhas e vinho."

Castanhas boas e vinho fazem as delícias do São Martinho.




Um estudo publicado pela London School of Hygiene and Tropical Medicine deu base para a verdade universal que "é só a bebida entrar para que a verdade saia."

Tenho camisa e casaco
Sem remendo nem buraco
Estoiro como um foguete
Se alguém no lume me mete.


 No dia de São Martinho vai à adega e prova o vinho


No dia de São Martinho, fura o teu pipinho
E em que recipiente se poderá provar o vinho?


São Martinho foi cavaleiro,  monge e santo.
Diz a lenda que o “verão de São Martinho” se deve ao inexplicável milagre que aconteceu quando, ao regressar a casa durante uma tempestade, repartiu metade da sua capa com um mendigo encontrado no caminho a pedir esmola. Nesse momento, apareceu um sol radioso e a tempestade desapareceu.
Desde então, o milagre ficou conhecido como “o verão de São Martinho", durante o qual se comem castanhas (geralmente assadas), pois é o tempo delas. Noutros países, como Espanha, faz-se a matança do porco


Imagens Google