Número total de visualizações de páginas

quarta-feira, 19 de julho de 2017

AS PALAVRAS NÃO SERVEM PARA NADA?

.
"As palavras são como as cerejas: vão umas atrás das outras"

Sossego, quietude, paz, silêncio
Silêncio, saber, ignorância, mistério
Mistério, sorriso, enigma, abismo
Abismo, ruína, oceano, voragem
Voragem, desordem, falácia, sofisma
Sofisma, chicana, enredo, conluio
Conluio, intriga, fusão, aliança
Aliança passiva, relativa, oblíqua.








Palavras que voam e caem no chão
Palavras renováveis, “eus”, cruzadas
Palavras febris, sem voz, de papelão
Palavras vãs, sem regras, desbucadas 
Palavras blá-blá, fininhas, ardidas
Palavras esdrúxulas, "seres",  genuínas
Palavras pomposas, comuns, sortidas
Palavras similares, gregas, latinas



"Foi quando aprendi que as palavras não servem para nada; que as palavras nunca se adaptam nem mesmo ao que elas querem dizer. Quando ele nasceu compreendi que a maternidade foi inventada por alguém que tinha de arranjar uma palavra para isso, porque as que tinham os filhos não queriam saber se havia ou não uma palavra para isso. Compreendi que o medo foi inventado por alguém que nunca tinha tido medo; o orgulho, por quem nunca tinha sentido orgulho." 
William Faulkner, in 'Na Minha Morte' 



Bem, "as palavras são como as cerejas..., quando comparadas na sequência, mas nem sempre " não servem para nada".

Assim, considerando apenas as cerejas, elas são óptimas quando frescas, doces, firmes, de haste verde brilhante, com a sua cor natural (dependendo da variedade)! 
As cerejas pisadas, manchadas ou com fissuras, são bem diferentes.  


E as palavras servem, então, para quê? 
Por um lado, servem para organizar os nossos pensamentos falando connosco mesmo e por outro, servem para comunicar os nossos pensamentos a outras pessoas.
O que muitas vezes acontece é que nem sempre o que se transmite é interpretado igualmente pelo receptor. Depois, quase sempre, não se pode falar ou escrever tal como se pensa. Os preconceitos “obrigam” a elaborar a expressão comunicacional...

Hipocrisia/ Fingimento?
Prudência/ Ponderação?

Enfim, as palavras, penso, servem sempre para comunicação interna ou externa, embora nalguns casos pareçam não servir para nada” e 
noutros tenham como resultado um poder avassalador, quer quando fortemente positivas, quer quando rotineiras e imbuídas de intensa negatividade. 

Imagens Google


quinta-feira, 6 de julho de 2017

FAMÍLIA É ASSIM






Seis mesmo, sim.
Ramada de árvore
Sem princípio nem fim

A família era, é e será
Dela se vem e se nasce
Com o anexo crachá

Tal como na ramada
Aumentam os anos
E vira rapaziada

Dinâmica, a cultura,
Ao sofrer mudanças
Transforma a postura

Primeira:
Segunda:



Perdem-se traços
Juntam-se outros
Formam-se laços
Terceira:






Uns são discretos
Alguns, complicados
E muitos completos

Quarta:







Família é assim
Surge, cresce, aparece
Como folhetim
Quinta:
Sexto:





A família como unidade social, enfrenta uma série de tarefas de desenvolvimento, diferindo a nível dos parâmetros culturais, mas possuindo as mesmas raízes universais. (MINUCHIN,1990).


Desenhos Google

quarta-feira, 28 de junho de 2017

PRÓ MANEL E PRÁ OUIEM




Felicidades        
Etéreas
Liadas por colorida partilha solidária 
Idílios vespertinos que fazem acontecer
Caminhada longa de momentos a prender
Incentivada por boa ventura diária
De manhãs cheias de festa a viver
Além da juventude sempre a reter
De agora, de amanhã, a necessária 
E um mundo reinventado a vencer
São os votos da tia Trezinha a dizer...


...Neste cantinho virtual, no dia um de Julho de 2017, Pró Manel e prá Ouiem (mesmo sabendo que o desconhecem)




Curia Palace Hotel






sexta-feira, 2 de junho de 2017

PARADIGMA DOS TEMPOS


- Sabes quem morreu?
- ?
- Foi a ME. Também já não andava por cá a fazer nada Era velha.
- Teve uma vida longa, sim. Mas “vejo-a” a pensar que ainda não esperaria que fosse a “hora” dela...

Amanhã ?  Amanhã apenas terá deixado de ser. “Apagou-se”. Pronto.
É o paradigma dos tempos.



Sou aquela que passa e ninguém vê ...
Sou a que chamam triste sem o ser ...
Sou a que chora sem saber porquê ...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver
E que nunca na vida me encontrou!”
Florbela Espanca




Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!

Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza...
A um morto nada se recusa,
Eu quero por força ir de burro.
Mário de Sá Carneiro





Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia,
Não há nada mais simples
Tem só duas datas - a da minha nascença e a da minha morte.
Entre uma e outra cousa todos os dias são meus. 
Um dia deu-me o sono como a qualquer criança.
Fechei os olhos e dormi.

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos"  
Heterónimo de Fernando Pessoa


Morto. Fica o que pensam de mim.
Minha essência tornou-se finita.
Exauriu-se chegando ao fim,

Só deixando aqui esta escrita
Levi Bronzeado Santos




Se eu morrer amanhã
Não me deem elogios que não mereço
Nem flores que nunca recebi
Tampouco lembranças que não tenham

Não me tragam lágrimas que não sintam
Mensagens que nunca me enviaram
Cartas de amor que não me deram
Vera Pinheiro



Não!
Não quero velório.
Fato velho e caixão pobre.
Onde tudo é amarelo, algodão e morte.
A lágrima que não me lembro de ter chorado.
TDM


"Há cem ou duzentos anos, a vida dependia do berço, da posição social e da fortuna familiar. Hoje, não. A criança nasce, não numa família mas numa pista de atletismo, com as barreiras da praxe: jardim-escola aos três, natação aos quatro, lições de piano aos cinco, escola aos seis, e um exército de professores, explicadores, educadores e psicólogos, como se a criança fosse um potro de competição
...
A meritocracia gera uma insatisfação insaciável que acabará por arrasar o mais leve traço de humanidade..."
João Pereira Coutinho, jornalista



Imagens Google

terça-feira, 23 de maio de 2017

UMA PARAGEM



Pertencia ainda à antiga província do Ribatejo, hoje sem qualquer significado político-administrativo.
Banhada pelo Tejo, fica situada num morro, aproximadamente no centro de gravidade do território português, quase cem metros acima da paisagem das baixas do rio, características que lhe conferem qualidades de ponto estratégico militar
Foi elevada à categoria de cidade em 1916, pela lei nº 601, de 14 de Junho.
Tem um castelo com “centro cultural a céu aberto” de “achados únicos” (uma torre islâmica do século IX, ossadas junto de um possível templo em honra de Mercúrio, moedas e munições para canhões do tempo de Napoleão e frescos de” pinturas raras do século XV” no interior da Capela de Santa Maria do Castelo, das “mais antigas que existem em Portugal como pintura mural, em bom estado de conservação”
O açude, construído em 2004 para criar um espelho de água em frente à cidade, custou dez milhões e meio de euros mas pescadores e ambientalistas afirmam que agora o peixe não consegue subir o rio.
No Outeiro de São Pedro existe um miradouro de 360 graus de visão completa sobre toda a paisagem de milhares de hectares de planícies e vales que se abrem sobre o Tejo e horizontes de cordilheiras longínquas.

É a cidade de Abrantes sim, que, a 143,71 Km de Lisboa, poderá ser também um dos locais/cenário ideal para "uma paragem repasto" entre Lisboa e a minha aldeia (351 Km). 







 Imagens Google

domingo, 21 de maio de 2017

NO DESERTO



 

E a árvore,
Fixando as raízes no solo do árido deserto coberto de areia, sem companhia
Desafia os ventos vindos do norte e do sul, do leste e oeste, com energia
Carregada de hastes sem folhas, flores, frutos ou notas de sinfonia
Faz eco oco no céu quente, nublado pela areia em burburinho, dia após dia
Pró dublé de tartu, lagartinho ligeiro ou rato-canguru sair da galeria
Mas nada aparece nas imensas dunas, além da contínua e forte ventania



terça-feira, 16 de maio de 2017

UM ESPECTÁCULO!



"A computação gráfica é a área da computação destinada à geração de imagens em geral — em forma de representação de dados e informação, ou em forma de recriação do mundo real. Possui uma infinidade de aplicações para diversas áreas, desde a própria informática, ao produzir interfaces gráficas para software, sistemas operacionais e sites na Internet, animações e jogos". 

Wikipédia

Actualmente,os softwares trabalham praticamente sozinhos com toda a parte algorítmica do hardware e “quanto mais específico for o resultado de uma determinada ferramenta, mais real será o objecto criado”. 
Segundo a mesma fonte, os programas mais poderosos são bastante flexíveis e permitem que utilizadores com um mínimo de conhecimento em programação possam fazer experiências a partir de novas ferramentas.
Como não é o meu caso (com muita pena), e porque é com certeza, um divertido entretenimento, propus-me fazer um site com alguns exemplares bem espectaculares.




Uma promoção fantástica ( computação gráfica impressionante de luzes ) no lançamento do novo telefone celular “LG Optimus 3D” divulgada pela LG na fachada de um prédio na cidade de Berlim e que vale a pena ver em fullscreen. 



Cidade de Dallas, quando do lançamento do filme "The Tourist" com Angelina Jolie and Johnny Deep.



O esplendor da cor video Kaleidoscópio 



Videos YouTube